Fábrica de desemprego

Leitura do dia:

II. O sindicalismo português, representado pela GCTP e pela UGT, está perdido no tempo. A CGTP e a UGT são forças reaccionárias que impedem a adaptação de Portugal ao século XXI. Um exemplo: se os trabalhadores da Auto-Europa tivessem seguido as indicações dos sindicatos, a empresa já não estava cá. Felizmente, a comissão de trabalhadores da Auto-Europa negociou regras de flexibilidade que aumentaram a produtividade da empresa. Resultado: para o ano, os trabalhadores da Auto-Europa vão ter um aumento de 4%. Se os sindicatos tivessem impedido as mudanças “neoliberais” na Auto-Europa, os milhares de trabalhadores da fábrica estariam agora na rua a protestar contra o “neoliberalismo”. A UGT e a CGTP são fábrica de desemprego.

A CGTP é uma fábrica de desemprego.

2 thoughts on “Fábrica de desemprego”

  1. Não poderia estar mais de acordo contigo em tudo o que dizes. Mas hoje também ouvi um comentário engraçado sobre a greve promovida por estas centrais sindicais – “Esta greve não custou muito ao país, porque quem parou foi praticamente quem não produz (FP), o resto funcionou tudo!”.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>